Tribuna Livre desmistifica câncer de próstata

Urologista explica a doença e ressalta a importância do diagnóstico precoce para o tratamento eficaz

Publicado: 07/11/18 • 10h10
Atualizado em: 14/11/18 • 20h41

    A Tribuna Livre da Câmara de Rolândia na sessão desta segunda-feira (05) recebeu o urologista rolandense Luis Gustavo Crippa de Almeida, 32 anos, para falar sobre o câncer de próstata e o Novembro Azul. O profissional foi convidado pelo vereador Reginaldo Silva (SD) e explicou sobre a doença e a importância do diagnóstico precoce, afirmando que “cuidar da saúde também é coisa de homem”.

    Crippa detalhou o aparelho urinário e reprodutor masculino e as doenças relacionadas a ele, sendo a mais agressiva o câncer de próstata. Segundo o urologista, exceto o câncer de pele, esse é o tumor mais frequente em homens. Os diagnósticos vêm aumentando anualmente com o envelhecimento da população e o aumento da procura por exames, possibilitando um tratamento eficaz e precoce e, consequentemente, reduzindo a taxa de mortalidade.

    O surgimento do exame de sangue (PSA) facilitou o diagnóstico a partir dos anos 1990, mas o exame de toque ainda dá o diagnóstico mais preciso e precoce, já que na fase inicial não há sintomas. Quando começam a surgir sinais – dor nas costas, sangramentos e retenção urinária - é porque a doença está mais grave.

    O urologista afirmou que com base em estudos, concluiu-se que 1 em cada 6 homens vai desenvolver o câncer de próstata ao longo da vida. A idade avançada é o maior fator de risco, tanto que antes dos 50 anos, o câncer de próstata é muito raro. “A cada ano que o homem envelhece agrega ainda mais o risco de desenvolver a doença”, declarou.

    Um fato curioso que Crippa relatou aos presentes foi que a necropsia de homens acima dos 100 anos comprovou que quase 100% deles tinham câncer de próstata, em graus mais leves ou agressivos. “Se todos os homens viverem até os 100 anos, todos terão câncer de próstata”, afirmou.

    O histórico familiar também é um grande fator de risco, assim como manter hábitos de vida não saudáveis - excesso de peso, sedentarismo, consumo excessivo de carne vermelha e gordura, alcoolismo e tabagismo - podem aumentar as chances de desenvolver a doença. Além disso, os negros têm maior incidência de câncer de próstata. Por isso, ele orientou que homens a partir dos 45 anos com histórico familiar e/ou negros se consultem com um urologista anualmente.

    Crippa finalizou detalhando os tipos de tratamento, que são decididos em conjunto pelo médico, paciente e família quando há o diagnóstico do câncer de próstata, ressaltando mais uma vez que o diagnóstico precoce facilita o tratamento e a cura.

    Família
    Luis Gustavo Crippa de Almeida tem 32 anos de idade e é filho de Gláucio Luiz de Almeida e de Fátima Crippe – o profissional tem como avô o conhecidíssimo Sizenando de Almeida, rotariano e pessoa de grande influência em Rolândia nas últimas décadas. Na sessão da Câmara, Luis Gustavo esteve acompanhado dos pais e da namorada, Amanda Pelegrine.

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.