Vereadores querem proibição do reajuste da Sanepar

Requerimento pedindo medidas cabíveis para barrar os 12,13% de aumento foi enviado ao prefeito na segunda (22)

Publicado: 23/04/19 • 18h44
Atualizado em: 25/08/19 • 00h33

    O reajuste da tarifa de água e esgoto da Sanepar em 12,13% indignou os paranaenses. Com isso, diversas cidades já proibiram o aumento por decreto e Rolândia pode seguir o mesmo caminho já que, nesta segunda (22), um requerimento assinado pelos dez vereadores foi enviado ao prefeito Luiz Francisconi (PSDB) cobrando que ele também proíba o reajuste nas faturas dos rolandenses. “Achamos um absurdo esse valor”, destaca João Ardigo (PSB), vereador que encabeçou o requerimento/movimento.

    De acordo com o documento, o aumento na tarifa da Sanepar, homologado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar), extrapola a inflação dos últimos 12 meses. Segundo com o índice do IPCA, a inflação oficial de maio de 2018 a abril de 2019 foi de 4,3%, cerca de um terço do valor total do aumento “liberado” pela Agepar.

    Na cidade de Paranavaí, a cerca de 150 km de Rolândia, um decreto do Executivo proíbe a Sanepar de aplicar reajuste de tarifas dos serviços prestados no município, sem prévia e expressa homologação do pedido de reajuste tarifário. “Estamos usando a ideia do mesmo pedido que o prefeito de Paranavaí utilizou em decreto para que seja cancelado o aumento de 12,13%, uma vez que o município de Rolândia ainda não teve a renovação do contrato assinada com a Sanepar”, detalhou João Ardigo. 

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.