Gian Magon: arte de rua cheia de alma

Na série de matérias com os artistas rolandenses,saiba mais sobre o grafiteiro Gian Magon

Publicado: 11/02/20 • 23h10
Atualizado em: 28/02/20 • 11h25

    O artista Gian Pedro Anésio Magon, 25 anos, é grafiteiro e formado em Artes Visuais pela Unopar (Universidade Norte do Paraná). Gian também se considera um ilustrador e desde criança já gostava de desenhar. Ainda na infância, percebia que tinha habilidade nesta atividade artística e o seu primeiro contato com o grafite foi em 2013, quando alguns profissionais da área vieram até Rolândia.

    Na ocasião, o grupo fez desenhos em diversos pontos de ônibus da cidade, que além de expressão de arte, contribuiu na restauração destes ambientes públicos. Magon se interessou pelo grafite e pediu auxílio aos artistas. “Eu nunca havia ao menos pegado em uma latinha de tinta e tinha receio em começar. Então decidi perder o medo e colocar em pratica os exercícios de grafite”, revelou. Nesse momento, Gian se matriculou em um curso de artes visuais e disse para si mesmo que algum dia teria a arte como o “ganha pão”.

    É possível encontrar desenhos de Magon em diversos ambientes públicos do município de Rolândia. O artista conta que no começo de seu contato com o grafite ele não escolhia muito bem os locais, apenas chegava no local e desenhava. Mas com a experiência adquirida no grafite e por meio de aulas e orientações de professores da faculdade, o artista percebeu que precisava estudar os locais, antes de grafitar. “É preciso pensar na questão de visibilidade, luz, estudar todo o contexto do local, no qual eu pretendo fazer um grafite”.

    Um local onde pode ser encontrada uma obra do Gian é um banheiro público, localizado próximo ao estádio do Nacional. Lá o artista havia desenhado um morador de rua, com um cachorro, segurando uma plaquinha com os dizeres “vai melhorar”. O desenho foi inspirado em uma pessoa real, que sempre dormia no espaço, na companhia do cão inseparável. Algum tempo depois, Gian soube que o homem havia morrido. “Ao saber disso, fui até o local e refiz o grafite. Desenhei o morador de rua sentado, ao lado do cachorro, em um ambiente que lembrasse o céu. Eu me arrepio só em contar essa história”.

    Quem passou pela Avenida Castro Alves, em 2016, se surpreendeu com um painel feito em grafite na parede da quadra ao lado do Restaurante da Oktoberfest. A arte fez parte de um projeto para o seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que teve um viés social. O painel retratava um morador de rua e um cachorro, com os rostos trocados. “Fiz no intuito de as pessoas se sensibilizarem mais com o cachorro e menos com o morador. Quando eles estão com o rosto invertido, a pessoa vai se sensibilizar com o homem pedindo ajuda”, explicou o grafiteiro. Infelizmente, a obra foi apagada pela administração municipal.

    Gian também é um apoiador do projeto Bibliotroca promovido pelo JR. Há alguns anos, as tocas receberam uma pintura exclusiva do artista visual.

    O ilustrador afirma que o preconceito infelizmente existe. Tanto com a relação da comparação da pichação com o grafite, quanto ao fato da não valorização do trabalho artístico. Apesar de tudo isso, Magon afirma que a visão do grafite no cenário atual está mudando, e confessa que boa parte desta melhora, se dá porque a prática está em alta e até mesmo “na moda”.
Projeto secreto

    Gian revela que neste momento está em meio a um projeto “secreto” e por isso não pode revelar muitas coisas sobre o seu trabalho atual. “Dei uma parada para respirar e aprimorar algumas técnicas e agora estou voltando para a rua. Estou neste novo projeto que ainda é algo em sigilo”, declarou. Os rolandenses amantes da arte estão ansiosos.

    Gian também faz trabalhos. Os interessados podem entrar em contato e contratá-lo pelo telefone (43) 9.9606-1294, pelo Facebook: Gian Magon, ou pelo e-mail gianmagon@gmail.com.

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.