Rafael lidera briga pela vaga em Tóquio

Ranking será fechado em maio; até lá Baby e David Moura têm cinco competições para um dos dois garantir a vaga no peso-pesado

Publicado: 12/02/20 • 10h27
Atualizado em: 03/06/20 • 03h10

    O 5º lugar no Grand Slam de Paris, com seus 360 pontos, colocou o judoca Rafael Silva “Baby” (32) à frente de David Moura no ranking que decidirá o judoca que representará o Brasil na Olimpíadas de Tóquio. Isso na categoria peso-pesado, para atletas acima de 100 quilos. A boa posição conquistada na França, no último final de semana, deixou Rafael com 3998 pontos e em 8º lugar no ranking da Federação Internacional de Judo (IJF em inglês) enquanto Moura figura em 9º, com 3802 pontos.

    Já o ranking olímpico provisório traz Rafael classificado para as Olimpíadas com 3483 pontos e David com 3435 – a diferença está apenas em menos de 50 pontos. Se o ranking fosse fechado hoje, Rafael estaria em sua terceira Olimpíadas e em busca de sua terceira medalha olímpica. O caso é que muita água ainda vai rolar em cima dos tatames até dia 30 de maio, quando será anunciada a seleção brasileira convocada para o Japão.

    “Estava alguns pontos atrás e consegui reverter, mas ainda tem muita coisa pela frente até o final de maio”, afirmou Rafael à reportagem do JR, em entrevista por um aplicativo. O judoca de Rolândia ressaltou que as próximas competições são os dois Grand Slam, de Dusseldorf, na Alemanha, de 22 a 24 deste mês, e de Yekaterinburg, na Rússia, de 13 a 15 de março. Além deles, há ainda o Grand Slam de Baku, no Azerbaijão, de 08 a 10 de maio, e o Master de Doha, no Qatar, de 28 a 30 de maio. Para se ter uma ideia, o Grand Slam dá 1 mil pontos para o campeão, 700 para o vice, 500 para o 3º colocado e 360 para o 5º. Já o Master distribui 1.800 pontos ao 1º colocado, 1.200 ao segundo, 900 ao terceiro, 648 ao 5º, 468 ao 7º lugar. Como pode se ver, há muitos pontos em jogo e a vaga para as Olimpíadas ainda está em aberto.

    Rafael também revelou que ficaria até a quinta-feira (13) na França e que vai para a Áustria, onde se prepara para o Slam de Dusseldorf. “Essas duas próximas competições serão importantes para sentir os adversários e os principais confrontos”, resumiu Baby, chamado de Homem-Montanha dentro do circuito do judô.

    Em Paris, Rafael venceu a sua chave depois de passar pelo francês Sanal, na 2ª rodada, por Kokauri (do Azerbaijão) na 3ª e pelo mongol Ulziibayar na decisão da chave. Depois, enfrentou e perdeu para o japonês Kageura (que derrubou Teddy Riner, a lenda francesa). Na decisão do terceiro lugar, Rafael foi derrotado pelo cubano Andy Granda. Na final, Henk Grol, dos Países Baixos, venceu Kageura.

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.