São Rafael e os respiradores

Hospital conta com quatros respiradores em funcionamento, que podem ser utilizados em várias situações de emergência, e mais dois de reserva

Publicado: 18/05/20 • 17h59
Atualizado em: 18/05/20 • 18h04

    O JR entrevistou o diretor geral do Hospital São Rafael, Paulo Boçois, para saber sobre a sobre a quantidade de respiradores disponíveis na instituição. O assunto abordado também faz referência ao cenário pandêmico por conta do novo coronavírus, que coloca no centro das atenções a demanda e a oferta de equipamentos médicos e hospitalares. Os respiradores são máquinas que ajudam os pulmões a inspirar e expirar quando a pessoa não tem a capacidade de operar seu sistema respiratório normalmente. Um respirador é necessário para estabilizar o paciente em urgências, sejam elas de qualquer tipo.

    O hospital atualmente possui seis respiradores, dois deles passaram por recente revisão. “A revisão foi feita um pouco antes de toda a situação da Covid-19 começar a crescer e o serviço custou 19 mil reais”, afirmou o diretor. Outros respiradores foram revisados por um empresário da empresa Aceno, sem custos para o hospital. “Dessa maneira, o hospital está com respiradores com monitores, essenciais, em três leitos do Pronto-Socorro. Também temos um leito no quarto de isolamento com respirador e monitor”, explicou Paulo Boçois.

    “Fomos uma das primeiras instituições a receber esta ação de manutenção deste voluntário e nos ajudou muito”, enfatizou o diretor. Depois da revisão, o diretor explicou que estes equipamentos precisaram ser testados para que se tenha noção da eficiência e saber se o aparelho está funcionando normalmente. Nesse contexto, o hospital também pode contar com um projeto do SENAI, no qual os equipamentos são testados e passados por outros vários procedimentos.

    O hospital tem um respirador de reserva e outro que está na revisão e chega em breve.
Mas o diretor lembra que o respirador não é tudo. Os monitores são muito importantes e revisamos todos os nossos. “São os monitores que revelam se o paciente precisa ser entubado”, afirmou Paulo. O São Rafael já tem quatro funcionando e comprou mais cinco novos, fruto da doação de um empresário, que preferiu não ser identificado. Os monitores são usados para checar diversos parâmetros fisiológicos, possibilitando analisar o estado clínico de pacientes adultos e pediátricos.

    Papel do respirador
    Para entender melhor sobre a ação dos respiradores, o diretor explicou um pouco mais sobre como o mesmo é utilizado. “Os tubos que ligam a máquina ao paciente podem ser ligados pelo nariz, pela boca ou por um pequeno corte na traqueia, na região da garganta – é a chamada traqueostomia”, informou.

    O diretor financeiro Sérgio Cesar de Oliveira acrescentou que, mesmo que o HSR não seja o hospital de referência para a questão do tratamento de pacientes com o coronavírus, a presença de respiradores é indispensável dentro da instituição.

    “Quando recebemos um paciente em estado grave, o nosso dever é estabilizá-lo para depois encaminhá-lo para hospitais maiores. Ou seja, a presença do respirador é obrigatória, independentemente da Covid-19”, explicou o diretor financeiro.

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.