Caso Eleição na Câmara: mais gravações, mais confusões

Vereadora Cristina Pieretti divulga vídeo polêmico durante sessão enquanto Guilherme Spanguemberg mostra outras gravações

Publicado: 24/03/21 • 12h49

    Errou quem achou que a sessão da Câmara de Rolândia seria polêmica na segunda (22) por causa do novo vídeo/áudio que circulou na semana passada. Na verdade, ela foi mais do que polêmica. Um novíssimo vídeo/áudio foi mostrado durante a sessão e elevou, ainda mais, os ânimos da Casa de Leis. Na verdade, a sessão foi encerrada antes do normal por conta de uma denúncia de desrespeito ao decreto municipal de restrições (veja a matéria na página 04).

    Durante a sessão, a vereadora Cristina Pieretti (PP) exibiu um vídeo/áudio no projetor da Câmara, o que surpreendeu muita gente. “Peço que os vereadores e a população se atentem a esse vídeo”, pediu a parlamentar. No vídeo, gravado dentro de um carro, uma pessoa repassa um bolo de notas para outra e pode-se ouvir o nome de Sartori, que teria mandado a metade do dinheiro e mandaria o restante quando “entregasse as filmagens”.

    Logo após a exibição do vídeo, Cristina se dirigiu ao vereador Guilherme Spanguemberg (PTB) e o questionou sobre o nome citado. “Esse Sartori citado é de que grupo, de qual partido ele é? Acho que a população entendeu quem é”, ressaltou Cristina. A vereadora afirmou não saber quando o vídeo foi gravado.

    Ao JR, Cristina Pieretti afirmou que recebeu o material pelo WhatsApp no dia 13 de março de uma eleitora e que o levou ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), de Londrina. “Levei até o promotor Renato de Lima Castro no dia 16 de março”, revelou a vereadora.

    Logo depois da sessão, o vereador Guilherme Spanguemberg fez uma entrevista coletiva em frente ao prédio do Legislativo. Como havia feito na sessão, Guilherme contou o passo a passo do caso dos vídeos e afirmou que João Hércules ligou para ele dizendo que tinha provas. O vereador disse que alertou o delegado sobre o fato e pediu um acompanhamento policial para ir ao encontro, em Cambé. Em Cambé, foi-lhe entregue um pendrive que nada tinha de provas, mas o encontro foi gravado e foi divulgado no final da semana passado.

    É sobre esse vídeo que foi criada a tensão da sessão de segunda (22) da Câmara de Rolândia. Sobre o material divulgado por Cristina, Guilherme pediu que ela entregasse às autoridades, sem ainda o saber que ela já o tinha feito no dia 16 de março. O parlamentar também afirmou que informou ao MP e à Polícia Civil, no dia 15 de fevereiro, sobre um plano para incriminá-lo.

    Guilherme revelou que há uma série de áudios que entregou às autoridades, inclusive ao Gaeco, e mostrou alguns durante a coletiva. “Esse é de uma pessoa que ameaça ao João Hércules, que me mandou esse material. A polícia está fazendo as investigações para saber quem é essa pessoa”, ressaltou o vereador.

    No áudio mostrado, uma voz fala em “jogar todo o BO nas costas do Guilherme. É o único jeito de você se livrar”. Em outro áudio, a pessoa responde “como é que vou jogar o BO no Guilherme, Doido, ele não tem nada a ver. Não tem como, parça”. Guilherme disse que há mais material e que ele está todo nas mãos da Polícia Civil e do Ministério Público.

    Renato Sartori

    O JR entrou em contato com Renato Sartori, ex-candidato a prefeito pelo PTB e supostamente citado no vídeo exibido por Cristina Pieretti durante a sessão. “A gente fica triste quando toma conhecimento que o nosso nome está sendo usado de forma indevida”, afirmou Sartori.

    O ex-vereador também disse que a exposição do vídeo foi de uma forma covarde. “Não aparece as pessoas e alguém falando meu nome. Eu nunca autorizei ninguém a falar em meu nome e em a praticar qualquer tipo de coisa em meu nome”, ressaltou Renato.

    “As pessoas que conhecem a minha integridade sabem que eu sempre trabalhei com respeito e transparência e jamais iria participar de coisa tão baixa e leviana como essa”, continuou o ex-vereador. “Tenho a consciência tranquila e como o assunto está no MP e na Polícia, acredito que vamos descobrir quem de fato praticou tudo isso e que volte a reinar a tranquilidade em Rolândia, que tem tanta coisa a ser feita”, salientou.

    Renato Sartori também fez questão de lembrar que está afastado da vida política e pública desde o ano passado por razão de saúde. Sobre sua saúde, Renato afirmou que está bem, apenas com a imunidade baixa e, por isso, precisa se cuidar e isolar mais ainda. 

Foto(s) desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.