Idosa de BH procura por irmãs em Rolândia

Conheça a história de Luzia, que diz ter morado em Rolândia e hoje está sozinha em um lar de idosos de Belo Horizonte

Publicado: 01/05/21 • 11h20

    Luzia Luiza de Lima, 64 anos, nasceu na cidade de Visconde do Rio Branco, Minas Gerais, em 1957, mas seu documento de origem é de Rolândia. Atualmente ela mora no Lar dos idosos Recanto dos Amigos, em Belo Horizonte (MG), e está à procura de suas irmãs, que podem morar aqui na cidade de Rolândia ou no distrito de São Martinho.
    Rafael Braz (24) trabalha como cuidador voluntário no lar em que a idosa está internada e entrou em contato com o Jornal de Rolândia para falar sobre a situação de Luzia. “Ela já tentou buscar familiares em Minas Gerais, mas nunca encontrou ninguém, e precisou ser encaminhada aqui para a nossa instituição, pois o quadro de saúde dela não é bom. Ela perdeu boa parte da visão, só enxerga parcialmente, e tem um pouco de demência”, explicou Rafael.
    Há oito meses, Luzia vive no lar sozinha, sem qualquer amigo ou familiar. O encaminhamento dela para o local foi feito por intermédio da prefeitura de Belo Horizonte, e por um pastor da igreja evangélica na qual ela frequentava. “Ela disse que se mudou para casa para achar familiares dela. Morava sozinha e precisou de ajuda. Aí o pastor a trouxe para cá.  Todos os dias, ela fala que quer encontrar suas irmãs e ir embora do lar. Mas ela não tem nenhuma informação sobre elas e não sabe nada a respeito dos familiares”, explicou Rafael, que se compadeceu com a história e resolveu ajudá-la. O enfermeiro pegou o telefone e entrou em contato com o WhatsApp do JR para contar a história de Luzia.
   Além da questão da visão, Rafael contou ao JR que a idosa também tem dificuldades na locomoção e precisa do auxílio de um andador, também tem diabetes e está em um processo de início de demência. “Tem momentos que ela lembra de várias coisas, e tem horas que ela não se recorda de nada. Ela não tem muita percepção do momento no qual está vivendo”, ressaltou.

Informações
    Luzia nasceu em Minas Gerais, mas conta que viveu sua infância no distrito de São Martinho, aqui em Rolândia. Segundo informado por Rafael, ela contou a ele que viveu parte da infância com os pais e com as irmãs aqui no município e o documento de origem dela tem o registro de Rolândia. O nome dos pais de Luzia que constam no documento dela são José Gabriel de Lima e Telvina Maria da Silva. Já o nome das possíveis irmã são Bárbara de Fatima Vieira de lima e Maria aparecida Gabriela de Lima (Cidinha).
   Quem tiver alguma informação pode entrar em contato com o Jornal de Rolândia pelas mídias sociais, ou através do Whatsapp (43) 9.9658-0204 ou do telefone (43) 9.8808-1196, que também é WhatsApp.

Voluntário e empático
   O Lar dos Idosos - Recanto dos Amigos é uma instituição da Paroquia Jesus Ressuscitado e presta atendimento e apoio aos idosos da cidade de Belo Horizonte e região. Rafael Braz da Silva tem 24 anos, mas sua história com a instituição já existe há 16 anos. “Desde os oito anos de idade comecei a fazer trabalhos voluntários aqui no lar por conta da escola. Eu chegava até a matar aula escondido para vir no lar e comecei a frequentar muito o local”, relembra.
   Rafael ainda contou que cuidou de seus avós até o último dia e depois do falecimento deles, que ocorreu em sequência nos anos de 2014/ 2015, o jovem começou a apresentar um quadro depressivo, mas viu no trabalho com os idosos uma nova chance de ter esperanças e fazer o bem ao próximo. Ele começou na instituição cobrindo férias de outros setores e hoje, além de desempenhar muitas funções, também atende os idosos.
   “Desde então eu trabalho aqui, fiz o curso de cuidador, mas faço o trabalho em todos os setores aqui do lar, desde a faxina até a cozinha. Agora estou fazendo curso de Técnico de Enfermagem para ajudar a minha mãe também”, revelou. No lar ele cuida de todos os idosos com muito carinho e empenho e faz com que eles se sintam acolhidos por um neto ou por um filho. “Eu danço com eles, brinco com eles e dou muitas risadas com todos”, afirmou.
   Ele ainda lembrou do momento em que a Luzia chegou no lar e estava em uma situação muito delicada de saúde, e foi ele quem cuidou dela neste momento. “No início ela precisou ser até internada e ficou no hospital por 14 dias. Agora ela está aqui no lar e me chama de ‘irmão’, se referindo aos irmãos que ela tinha na igreja. Ela é muito querida por todos nós e por isso fiz questão de ajudá-la”, contou.

Foto(s) desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.